Quem sou eu

Minha foto
Belém, Pará - AMAZÔNIA, Brazil
Possui Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Ecologia Aquática e Pesca do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Pará. Mestrado em Gestão dos Recursos Naturais e Desenvolvimento da Amazônia pelo Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (2012), é Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional do Pará (2010). Tem experiência com pesquisas em ecossistema de manguezal na costa do Pará, com ênfase em Ecologia Humana levando em consideração os conhecimentos tradicionais da população pesqueira extrativista e suas relações com o meio ambiente. Atualmente faz pesquisa junto à população pesqueira na região do lago de Tucuruí/PA em duas Unidades de Conservação, especificamente nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável Alcobaça e Pucuruí-Ararão com objetivo de fomentar a conservação ambiental e consequentemente o desenvolvimento sustentável na Amazônia Paraense. Natural de Vila do Carmo/Cametá/Pará/Amazônia/Brasil.

sábado, 16 de outubro de 2010

PESCADORAS EXTRATIVISTAS DO MANGUEZAL

Os saberes e práticas das pescadoras do município de São Caetano de Odivelas∕Pa, particularmente da Vila Sorriso, localizada na Vila Boa Vista, fazem com que o ecossistema de manguezal se torne um elemento fundamental para a sobrevivência da família das mulheres que usam os saberes passados de geração a geração para práticas diárias  ao longo do rio Pratiquara e nos manguezais banhado pelo mesmo.
  
Foto: Neila Almeida

Foto: Neila Almeida

Foto: Neila Almeida

2 comentários:

  1. O que mais estimula o envolvimento do pesquisador com as comunidades que estuda é que a partir da construção dialógica pesquisador/pesquisado percebemos que os saberes tradicionais reforçam-se como uma ciência das populações locais e o distanciamento do saber científico desse espaço ocorre por não-interesse de por em prática a alteridade.

    ResponderExcluir
  2. Estive já por aqui e cá estou outra vez. Belo espaço para as letras, para a poesia, para o pensamento... para tornarmos mais claros nossos caminhos! Ao mesmo tempo em que te mobilizo para removermos este triste índice de 2 livros/ano por leitor brasileiro (na Argentina são dezoito livros/ano),
    te convido a conhecer meus romances. Em meu blog, três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
    Um grande abraço e boa leitura!

    ResponderExcluir